Fundação Pedro Calmon

28/09/2016 14:50

Acervos do Centro de Memória da Bahia foram tema de debate no Conversando

ft“Pesquisa e Pesquisadores no Centro de Memória da Bahia”, foi tema do Conversando com a sua História Especial 30 anos CMB de segunda-feira (26). Na ocasião, os professores de História Antônio Luigi Negro (UFBA) e Paulo Santos Silva (Uneb), falaram sobre as fontes e as possibilidades de estudos dos acervos e fundos contidos no CMB, que é vinculado à Fundação Pedro Calmon/ Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

Paulo Santos Silva, Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (USP), destacou a importância do CMB para os pesquisadores: “O CMB disponibiliza um amplo leque de documentação para uma população de pesquisadores que tem crescido bastante em função do crescimento dos cursos de graduação e pós-graduação em História na Bahia. O Centro assegura um espaço importante não só de pesquisa, mas também de construção dodebate para os pesquisadores, além de disponibilizar acervos sobre a história política baiana, com entrevistas, cartas, fotografias e uma base importante para a história contemporânea da Bahia”.

O Centro de Memória da Bahia mantém a guarda de valiosos acervos documentais de governadores e personalidades públicas que tiveram relevante participação política e cultural na Bahia. Os fundos são compostos por aproximadamente 57.576 documentos. “Nós, historiadores, encontramos de certa forma uma história já posta, o nosso papel é dar sentido a estes arquivos, e por isso o Centro de Memória será sempre revisitado pelas posteriores gerações. Os historiadores fazem a história articulando os documentos que, organizados, são arquivos que servem de fonte para estudos, pesquisas e obras”, disse Paulo Silva.

Na ocasião, o Doutor em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e pós-doutor pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC), Antônio Luigi Negro, revelou que “os arquivos privados são importantes para a produção de uma ‘imortalidade’ que toca o principal personagem dos arquivos que o nomeia. O CMB tem um acervo de alta importância para a história do Brasil, não somente para a Bahia, pois guarda arquivos pessoais cujas fontes são instrutivas a respeito de temas da nossa história política e social, como por exemplo, os desafios das lavouras de açúcar do século XX; a revolução de 30; o Estado Novo e a sua queda, o sistema democrático que vigorou até 1964. O CMB abriga fontes que podem enriquecer nosso conhecimento sobre a história íntima das personagens nelas citadas”.

cshFundos O Centro de Memória da Bahia possui 28 fundos de personalidades políticas baianas, a maior parte referente à história da Bahia Republicana, com informações sobre mudanças políticas, econômicas e sociais. Essa documentação é composta por itens que foram produzidos e coletados pelas personalidades ou referentes a elas, compreendendo correspondências pessoais e administrativas, recortes de jornais, revistas e fotografias.

No Conversando com a Sua História, Paulo Santos, que organizou parte da documentação do Fundo Otávio Mangabeira, destacou que leu e estabeleceu uma classificação entre cartas públicas, cartas de exílio e cartas pessoais e domésticas. “Estas cartas são muito importantes para a historiografia baiana, a fecundidade desse material é muito grande para a pesquisa e escrita da História e oferece um leque de possibilidades de produção historiográfica”, disse Paulo, que ainda destacou que: “são cartas interessantes, algumas são completas, com datas, remetentes e destinatários, e locais; outras estão com lacunas, com uso de códigos e pseudônimos”. O Fundo Otávio Mangabeira é composto por 6.541 documentos textuais e 365 documentos iconográficos.

O estudante de História, Ricardo Mendes disse:“Tenho muito interesse em pesquisa, principalmente sobre a história da Bahia e não poderia deixar de conferir a palestra destes que são grandes personalidades da área”. “Foi muito interessante saber que o CMB abriga uma gama de documentos e possibilidades de estudos sobre a história da Bahia”, disse Mariana Gomes, também estudante de História.

CMB - O Centro de Memória da Bahia (CMB), unidade da Fundação Pedro Calmon/Secretaria de Cultura do Estado (FPC/SecultBA), tem como objetivo a difusão da história da Bahia, através da preservação e ordenação de arquivos privados e personalidades públicas, bem como a realização de exposições, seminários e cursos de formação gratuitos. Entre suas funções, é responsável pelo Memorial dos Governadores Republicanos da Bahia (MGRB), localizado no Palácio Rio Branco, no Centro Histórico de Salvador. Saiba mais sobre o Centro de Memória da Bahia.

Fotos: Manuela Muniz e Amanda Moreno

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.