Centro de Memória

29/06/2017 10:40

#2deJulho – Pesquisador Hendrik Kraay abrirá Colóquio sobre Independência na Biblioteca Central

kraayEntre os dias 3 e 6 de julho, o Centro de Memória da Bahia – vinculado à FPC/SecultBA, realizará o Colóquio Guerra e Identidade: A Independência do Brasil na Bahia. O Prof. Dr. Hendrik Kraay (University of Calgary) fará a conferência de abertura na segunda-feira (3), às 19h, no auditório Kátia Mattoso – Biblioteca Central do Estado da Bahia.

Kraay é especialista em História do Brasil e, atualmente, desenvolve pesquisas sobre a festa do Dois de Julho. As obras Soldados, Oficiais e Sociedade: O Exército na Bahia, Brasil, 1808-1889”;Política Racial, Estado e Forças Armadas na época da Independência - Bahia 1790 – 1850”; e “O cotidiano dos soldados na guarnição da Bahia, 1850-1889” são algumas das publicações do canadense sobre o tema.

FPC - Como surgiu sua motivação para estudar a história do Brasil e os festejos do 2 de Julho?

Hendrik Kraay - No início da década de 80, quando eu tinha 17 anos, passei um ano aqui no Brasil em intercâmbio e despertei interesse pelo país. Na verdade foi um longo caminho até começar a estudar a independência na Bahia. Durante o meu Doutorado - na década de 90 - passei um ano em Salvador e assisti ao desfile do 7 de Setembro e depois o do 2 de Julho, e me chamou atenção o contraste entre esses dois desfiles.

FPC - Que tipos de contraste você percebeu entre as duas festas?

HK - O 2 de Julho da Bahia é muito mais popular, tem uma participação maior da sociedade na organização da festa, e em dado momento, houve o 2 de Julho dos bairros, a festa que continuava após o festejo oficial. Quando estava no Rio de Janeiro, inclusive, assisti ao festejo da Independência e também percebi esse contraste. Só quem passou um tempo na Bahia pode perceber o patriotismo do baiano com o 2 de Julho.

FPC – O que isso diz sobre a forma como se deram as batalhas da Independência?

HK - Foi preciso muita participação popular para expulsar os portugueses, então boa parte da sociedade se envolveu na luta pela independência, inclusive muitas pessoas comuns. O festejo do 2 de Julho se tornou uma festa bem mais popular que o 7 de setembro justamente por causa disso. As batalhas marcaram profundamente a sociedade baiana.

FPC – Em suas pesquisas, o que se destaca quanto ao início destes festejos?

HK - As primeiras celebrações foram organizadas pelos exaltados, pelos liberais radicais. Após a Sabinada houve repressão da festa, mas na década de 1840 ela foi reconstruída. Durante o Colóquio, abordarei a questão política dos festejos, como se deu essa reestruturação da festa, e reconstruirei a história dos seus símbolos, como os Caboclos, por exemplo.

Hendrik Kraay se unirá a outros pesquisadores durante o Colóquio, confira aqui toda programação.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.