Livro e Leitura

08/10/2021 08:30

#FPCEntrevista Professor Anderson Shon fala sobre a oportunidade de desenvolver a criatividade no Concurso Escritores Escolares

ee

Anderson Shon é poeta, professor, escritor e super-herói nas horas vagas. Lançou seu primeiro livro Um Poeta Crônico (2013) que pautou o  conceito de poesia crônica, a junção ideal entre as histórias mundanas do nosso cotidiano com versos, estrofes e rimas. Em 2019, produziu o sucessor bibliográfico - Outro Poeta Crônico, consolidando ainda mais o conceito. Em plena pandemia, produziu seu primeiro ebook, A Despedida do Super Futuro (2020), o livro digital traz o gênero poesia narrativa e conta a história de um super-herói que tem que lidar com o ódio social.

Além dos livros, Shon já teve um conto adaptado para o audiovisual pela CloudFilmes - O Dia do Yuri pode ser encontrado como ebook na Amazon e como curta no youtube. Em seu site www.andersonshon.com ele vai muito além da poesia, escrevendo contos, textos reflexivos, cartas abertas e hospedando o seu podcast O Que Você Está Lendo?, programa de entrevista sobre livros, leitura e literatura. Shon também colabora com o jornal A Voz da Favela, com o site Jovem Nerd e com o Portal Geledés. Em entrevista sobre o Concurso Escritores Escolares, este multifacetado Anderson Shon, também falou sobre como a sexta edição do Concurso ajuda no processo do incentivo a leitura a escrita aos jovens, inclusive, fomentando esta pluralidade para atuação dos mesmos.

 

#FPCEntrevista - Para você, no que consiste a importância do concurso na vida desses jovens?

A leitura e escrita são ótimas ferramentas de autoconhecimento. Possibilitar aos jovens novas leituras é possibilitar um novo ponto de vista de si e do mundo. O concurso surge como um motivador para práticas que deveriam ser corriqueiras e mundanas, como leitura, debate e escrita. Mas acabam sendo, por vezes, negligenciadas pelo acúmulo tecnológico atual. Todavia, quando há um prêmio, um status, um glamour, tudo isso ligado ao lado intelectual do aluno, isso vira uma meta, quase que um sonho, um objetivo da vida escolar. Em suma, a importância do Escritores Escolares é ser uma ferramenta que possibilita o professor no processo de ensino-aprendizagem voltado à leitura e escrita.

 

#FPCEntrevista - Quais seriam os benefícios da escrita criativa como estímulo à leitura?

Não consigo enxergá-los individualmente no processo de escolarização. A escrita estimula a leitura, a leitura estimula a escrita. Se você escreve sobre Vampiros e sabe que há uma autora, um autor especialista nesse tipo, você vai atrás. Se você lê muito sobre ficção científica, há um momento em que você quer criar seu próprio mundo futurista e etc. Escrita e leitura estão de mãos dadas.

 

#FPCEntrevista - As inscrições estão chegando ao fim no final de semana. Quais dicas você daria para os estudantes?

Na verdade, a dica é para os professores. Façam seus alunos amarem esse processo, é uma honra poder se reunir com alunos e alunas com um único objetivo; criar. Deguste cada vírgula, cada ideia – que às vezes soam deslocadas, mas que nunca são -, cada construção de personagem. Entregue-se ao processo de ver algo nascer do zero e trate cada história como a melhor do mundo. Infelizmente, poucos irão ganhar o prêmio, professor, por isso é sua obrigação, desde já, deixar neles um sentimento de campeões. 

 

 

Inscrição - Para quem é aluno da rede estadual de ensino, a inscrição pode ser feita na própria escola. Para os demais alunos, a inscrição pode ser feita através do formulário no site da Fundação Pedro Calmon e Secretaria de Educação (clique aqui). Cada estudante poderá se inscrever em apenas uma das categorias – poesia ou prosa – sendo temática livre e de escolha exclusiva do estudante e caso seja menor de 18 anos, a inscrição deve ser acompanhada da autorização dos responsáveis. Quaisquer dúvidas e esclarecimentos adicionais deverão ser enviados ao e-mail: concurso.escritores@fpc.ba.gov.br.

 

Seleção - Na rede pública, os melhores classificados em cada unidade serão avaliados por uma comissão formada pelos Núcleos Territoriais de Educação (NTEs). Dos NTEs saem os selecionados por uma comissão formada pela SEC e FPC. Os demais estudantes serão diretamente selecionados pela comissão organizada e coordenada pela Fundação e em ambos os casos serão avaliadas a criatividade, coerência, adequação e estruturação do texto, assim como, clareza e a inovação linguística.

 

Premiação - Ao todo, serão 18 premiados nas duas categorias de prosa e poesia. Em ambos casos, o primeiro lugar recebe um notebook mais kit com 30 livros; o segundo lugar um tablet mais kit com 30 livros e o terceiro lugar um leitor de e-book mais kit com 30 livros. Os livros que integram os ‘kits’ serão selecionados pela Fundação Pedro Calmon e a cerimônia de premiação acontecerá em formato virtual.

 

Serviço

O que: VI Concurso para Escritores Escolares de Poesia e Prosa

Quando: inscrição prorrogada até dia 10 de outubro

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.