Conversando com a sua História | MAIO 2018

Conversando com a sua História | MAIO 2018
O Conversando com a sua História - promovido pelo Centro de Memória da Bahia, vinculado à Fundação Pedro Calmon/ SecultBA - acontecerá todas as terças-feiras, às 17h, no Foyer da Biblioteca Central do Estado da Bahia (Barris). O curso oferece certificado de atividades complementares com a carga horária de duas horas para os participantes.

Confira programação completa do mês de MAIO:


Conversando com a sua História | MAIO 2018Palestra: “É proibida a venda e uso do pito do pango”: o proibicionismo da maconha no Brasil imperial, 1830
Local: Foyer da Biblioteca Central do Estado da Bahia (Barris)
Quando: 8 de maio - 17h

Palestrante: Jorge Emanuel - Graduado em História pela UNEB, Mestre e Doutorando em História Social pelo PPGH-UFBA e professor EBTT do IFBA. Desde 2008 estuda as relações históricas entre drogas, sujeitos e sociedade, com ênfase nos processos de proibição dos usos e repressão dos usuários.

Resumo: A história dos usos de substâncias psicoativas no Brasil é atravessada por proibições diversas desde o período colonial até os tempos atuais, sendo a maconha, possivelmente, o objeto mais longevo de tais medidas.




Conversando com a sua História | MAIO 2018
Palestra:
A espiritualidade brasileira e as religiões ayahuasqueiras
Local: Foyer da Biblioteca Central do Estado da Bahia (Barris)
Quando: 15 de maio - 17h

Palestrante: Juarez Duarte Bomfim - Sociólogo e doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca (Espanha). Professor aposentado da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e autor do livro O Jardim de Belas Flores. Publica regularmente em diversos sites.

Resumo: 
Religiões da Ayahuasca: Santo Daime, Barquinha e União do Vegetal. Ayahuasca Indigena e o fenômeno neoayahuasqueiro. Resolução Conad 01/2010 que autoriza o uso religioso da Ayahuasca. O ethos do ayahuasqueiro. O self do converso religioso. Expansão do uso e tendências futuras.



Conversando com a sua História | MAIO 2018
Palestra:
“Fumo de Negro”: a criminalização da maconha no pós-abolição
Local: Foyer da Biblioteca Central do Estado da Bahia (Barris)
Quando: 22 de maio - 17h

Palestrante:
Luisa Saad - Graduação e Mestrado em História Social pela Universidade Federal da Bahia. É redutora de danos e militante feminista antiproibicionista. Atualmente coordena o Programa Corra pro Abraço-Juventude em Itinga / Lauro de Freitas.

Resumo: A palestra aborda os processos históricos que resultaram na proibição da maconha em 1932, a partir da análise de teses médicas, jurídicas e notícias de jornais que apontavam o uso da erva como um hábito trazido pelos escravos africanos, considerados raça inferior segundo ideias então em voga. No cenário político de uma Abolição e uma República recém-decretadas, se intensificou a visão de que as práticas dos negros dificultariam a concretização de uma nação civilizada. O consumo de maconha constituía um dos empecilhos à modernização e ao progresso, uma vez que seus usuários tenderiam a adquirir comportamentos violentos, imorais ou insanos.

 

Recomendar esta página via e-mail: