Bibliotecas

17/05/2018 13:00

Lei Áurea e as consequências do período escravista marcam palestra da Biblioteca Juracy Magalhães

BJMJrSSA

Neste mês de maio, a Lei Áurea completa 130 anos. E em busca de mais conhecimento sobre os aspectos que cercam o período antes da assinatura da princesa Isabel e o pós-abolição, estudantes e curiosos da história nacional foram a Biblioteca Juracy Magalhães Jr. (BJMJr./ Rio Vermelho), na tarde desta quarta-feira (16), para a palestra A abolição da escravatura no Brasil: Aspectos históricos, econômicos e políticos.

O evento foi ministrado pelo professor André Luís, que destacou a importância da população escravizada para a formação da diversidade cultural baiana e, que a abolição não foi um presente da princesa, mas fruto da resistência negra e da situação econômica do Brasil.

“Podemos falar que a cultura de Salvador é resultado dessas diversas matrizes culturais, inclusive a mulçumana, que também foi escravizada aqui. A quantidade e diversidade de nações que foram trazidas escravizadas contribuíram para formar esse caldeirão cultural que é a Bahia, e mais especificamente, Salvador”, disse o professor.
 
BJMJrSSAO termo escravidão e a forma como ela ocorreu, também foi debatida na palestra. “A escravidão existe deste que o mundo existe, mas o formato feito no Brasil difere gigantescamente do que foi feito na África. Podemos dizer que a escravidão no continente africano tinha, em certos aspectos, funções sociais de reprodução cultural, de mão de obra, mas não mercadológica, ou de coisificação que foi feita no Brasil”, ressalta André.

O evento foi finalizado com a explicação sobre a abolição e as consequências e permanências do período escravista para os dias atuais e a simbologia da comemoração do dia 13 de maio e 20 de novembro também foi comentada. “Vou compartilhar, indicar e espero que eventos como esse continuem existindo, para que mais pessoas tenham acesso a esse conhecimento, como eu que aprendi e foi gratificante”, destaca a estudante de história, Paula Vitória (22).

Para o também futuro historiador, Cauan Sousa (20), a parte mais importante foi ter visto como fatores daquela época ainda atingem a sociedade brasileira. “As consequências daquele período estão até hoje, o preconceito, o racismo”, afirma Cauan.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.